Aplicativo ajuda a encontrar Iphone, mesmo o aparelho estando sem bateria


Todo mundo já passou por aquele fatídico momento de perder ou esquecer onde colocou o celular. Na tentativa de ajudar os esquecidos de Iphones, foi disponibilizado no iTunes o aplicativo Las Alert Pro, que encontra o aparelho até mesmo sem bateria.

O aplicativo custa US$ 1,99 e tem três funções muito interessantes: a primeira é a de notificações por som. A segunda funcionalidade é um alerta por e-mail, que mostra, constantemente, as coordenadas do GPS do seu iPhone, revelando aonde o aparelho “foi visto” pela última vez. Para finalizar, há um rastreamento por bússula. Se você possui um iPad e “perdeu” o seu iPhone, é possível recuperar as informações de rastreamento e as coordenadas de GPS pelo iPad.

Para instalar o aplicativo, basta fazer o download pelo iTunes. O app não precisa funcionar manualmente, basta clicar no ícone Last Alert para o programa funcionar. Clique em “My Settings” para configurar o aplicativo. Mais abaixo, haverá o “Email GPS Location”. Esta função insere os endereços de e-mail para os quais você deseja que a localização de seu iPhone seja enviada quando a bateria estiver acabando. Não é necessário utilizar as três opções. Após isto, é só ir até “Track Device” e clicar em “Test Tracking” para fazer um teste. Então, aparecerá detalhes de longitude, latitude e altitude da localização de seu aparelho, data e hora em que ele foi visto pela última vez e o nível de bateria. Isto permitirá fazer um relatório de uso de seu iPhone.

Fonte

Hackers faturam encontrando falhas em iPhone e outros serviços

Ao que tudo indica, apesar de ser cobiçado por muitos, o iPhone pode apresentar alguns problemas. O hacker denomidado como “Grugq” teria negociado com a Apple para mostrar e vender vulnerabilidades dos sistemas e aplicativos, ficando com 15% do valor da venda como comissão.

“Grugq” é também uma espécie de mediador entre outros hackers e agências e empresas que trabalham com o governo. As vulnerabilidades encontradas e comercializadas não são comunicadas às empresas que desenvolvem o software. Isso garante que a falha permaneça por mais tempo sem uma devida correção, o que viabiliza invasões em sistemas que utilizem os softwares.

As falhas encontradas em produtos da Apple e, principalmente, no iPhone são as mais caras do mercado. De acordo com um levantamento feito pela Forbes, problemas com o iPhone podem custar entre US$ 100 mil e US$ 250 mil, enquanto os do Adobe Reader, por exemplo, valem de US$ 5.000 a US$ 30.000.

Apesar de ser um serviço bastante requisitado, o comércio de vulnerabilidades do sistema é um tema polêmico entre os especialistas. O Google também é reconhecido por utilizar este tipo de recurso para encontrar falhas, enquanto a Microsoft se recusa.

Fonte

Fonte da imagem

Falha de segurança pode comprometer novo sistema iOS

Ao que tudo indica, a maneira como o Safari, navegador padrão do sistema móvel da Apple, abre os sites para o novo sistema do iOS pode gerar complicações para os seus usuários. Isso porque, se o navegador for manipulado da maneira correta, ele poderá abrir uma página falsa e mostrar, na barra de endereços, um site legítimo.

A falha foi descoberta pelo pesquisador David Viera-Kurz, que também criou um site falso para apontar o erro do sistema, a partir de uma página hospedada em seu próprio servidor, que é possível exibir o endereço apple.com.

A nova versão 5.1 do iOS foi lançada no início deste mês. A notificação feita por Viera-Kurz possibilita à Apple fazer as alterações necessárias.

O estudo ainda concluiu que os navegadores do Windows Phone e Android não são vulneráveis a este tipo de falha.

Fonte

Fonte da imagem

Google explica problema com spams em e-mails

O principal problema que um usuário de e-mail enfrenta é em relação aos spams que recebe em sua caixa de entrada. Pensando nisso, o Google anunciou, nesta semana, um novo filtro de spam para o Gmail.

A nova ferramenta terá a função de informar o usuário sobre os motivos que levaram uma mensagem a ser redirecionada para a pasta de spam.

Os usuários do Gmail podem identificar as mensagens marcadas como spam por meio do aviso em vermelho embaixo do remetente. As mensagens permanecem nessa pasta para que se tenha certeza de que se trata realmente de um spam e para que o usuário possa tomar suas providências.

Fonte do texto e imagem

Chrome se torna navegador líder pela primeira vez

O navegador Chrome, do Google, atingiu o posto de navegador mais acessado pela primeira vez, no último domingo (18), segundo dados divulgados pelo grupo StatCounter. Este é um marco na história da internet. Apesar de ter sido por apenas um dia, o navegador conseguiu superar o tradicional Internet Explorer, da Microsoft.

O Chrome teve o seu ápice com uso de 32,7%, enquanto o Internet Explorer teve participação de 32,5%. No dia seguinte, a situação já havia se “normalizado”, e o navegador da Microsoft voltou a possuir 35%, em comparação aos 30% do Google. Em termos mensais, a participação do Chrome subiu para 31%, em março, ante os 17% de crescimento referente ao mesmo período do ano passado.

Ainda não é possível determinar se o Chrome irá superar os outros navegadores, mas, com certeza, é possível prever seu crescimento gradativo e constante. A StatCounter diz que suas estatísticas são baseadas em dados coletados em uma amostra superior a 15 bilhões de “page views” por mês, a partir de uma rede de 3 milhões de sites.

Fonte

TSE proíbe campanhas eleitorais via Twitter antes de 5 de julho

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) definiu, no começo deste mês, que os candidatos às eleições municipais de 2012 estão proibidos de fazer qualquer tipo de divulgação de campanha por meio do Twitter antes do dia 5 de julho.

Essa medida foi tomada em decorrência de um recurso solicitado pelo, na época, candidato à vice-presidência da república, Índio da Costa (PSD), que foi multado em R$ 5 mil, após anunciar em 2010 que concorreria ao cargo, e por pedir votos para José Serra (PSDB), líder de sua chapa na campanha, antes do período autorizado pelo TSE. Costa foi multado após decisão de que o microblog é também um meio de comunicação para divulgação de campanha.

A partir desta eleição, a Justiça Eleitoral vai fiscalizar o comportamento dos candidatos no Twitter, passando a coibir irregularidades, nos mesmos moldes que são feitos quando tais infrações acontecem na TV, rádio, revistas e jornais. Para o candidato que não seguir as novas regras, as multas variam entre R$ 5 mil e R$ 25 mil.

Esta é a primeira vez que o TSE toma uma decisão sobre manifestações políticas de candidatos através do Twitter.

Fonte

Fonte da imagem

Internautas chineses aproveitam falha para acessar sites proibidos no País

Internautas chineses conseguiram burlar o “Grande Firewall” do país e acessar sites que eram considerados proibidos, como Facebook, Twitter e Youtube. De 27 a 28 de fevereiro, os usuários tiveram acesso a estes sites por meio de seus celulares e desktops.

Muitos internautas navegaram pela primeira vez por estas páginas e, por isso, aproveitaram para criar contas nesses serviços, segundo informações da Reuters.

A China censura alguns sites e, principalmente, as redes sociais. A justificativa é que ajuda a evitar a instabilidade do país. Mas, na prática, o governo chinês quer evitar que a população tenha conhecimento sobre situações de crise ou denúncia.

Para suprir a necessidade da população chinesa, são criadas redes sociais similares as grandes redes mundiais.

Fonte do texto e da imagem