Dispositivos conectados serão maiores que população mundial em 2016

Um estudo conduzido pela fabricante de roteadores que equipa boa parte da internet, a Cisco, revelou que os aparelhos móveis poderão ser superiores a população mundial daqui a quatro anos. A previsão é que haja 10 bilhões de aparelhos móveis para 7,3 bilhões de pessoas em 2016.

Ainda de acordo com a estimativa, existem, atualmente, 14 bilhões de dispositivos conectados à internet, sendo a grande maioria computadores e laptops.

De acordo com o estudo, um dos principais motivos para o aumento do tráfego foi o crescimento da velocidade das redes residenciais. A expectativa é que essas velocidades crescam em 10 vezes na próxima década.

Fonte

Fonte da imagem

Google indica mudança no ambiente tecnológico

Um dia após apresentar certos problemas em seus resultados, o gigante da Internet, Google, teve queda de 8% em suas ações e não alcançou suas metas em termos de faturamento, o que evidenciou, ainda mais, seus esforços acelerados para encontrar espaço nos mercados móveis e de redes sociais.

Investimentos no software móvel Android e na rede social Google+, semelhante ao Facebook, representam oportunidade essencial de crescimento para a companhia, no futuro. Mas Wall Street ainda está tentando compreender seu impacto de longo prazo sobre o negócio do Google.

A rede social Google+, recentemente lançada pela companhia, tem 90 milhões de usuários no momento, ante 40 milhões há três meses. A plataforma móvel Android mais usada do mundo, à frente do iOS, da Apple, sendo um importante acesso dos consumidores a diferentes serviços do Google, e elevando o número de pessoas que veem os anúncios veiculados pela empresa.

No entanto, o valor recebido pela publicidade destinada a aparelhos móveis,em curto prazo, parece ser menor que o pago pela publicidade veiculada em seu serviço de buscas convencional. Além disso, segundo os resultados apresentados na sexta-feira, o custo por clique (CPC) – ou seja, o valor pago pelos anunciantes quando um usuário clica em anúncios vinculados a resultados de buscas – caiu pela primeira vez em dois anos, apesar do recorde atingido pelo comércio eletrônico nos Estados Unidos durante a temporada de fim de ano.

O presidente do conselho e vice-presidente de investimento da Jacob Funds, que detém ações do Google, Ryan Jacob, relata que seria relevante estudar melhor o efeito de um aumento na proporção das buscas do Google conduzidas via aparelhos móveis .“Eles não vêm obtendo o mesmo tipo de preços do lado móvel que costumam obter nas buscas em computadores”, disse Jacob.

A grande preocupação dos investidores deve-se a o fato dos pesados investimentos do Google em iniciativas móveis e de redes sociais para enfrentar concorrentes como a Apple e o Facebook, além da compra da fabricante de celulares Motorola Mobility por 12, 5 bilhões de dólares.

Fonte

Fonte da Imagem