Você sabe como o Google armazena conteúdo?

Quando é preciso encontrar algum conteúdo na internet, é comum abrirmos a página do Google para realizar uma busca. O site de buscas mais requisitado e renomado do mundo funciona por meio de um sistema de armazenamento de backups de motor, que é capaz de atender milhões de pesquisas feitas simultaneamente. É por isso que o espaço para acomodar novas páginas que surgem na internet deve crescer constantemente. Para se ter ideia, no total, esses processos consomem mais de 20 petabytes por dia.

Para o bom funcionamento da rede e a sua prospecção, a arquitetura de nuvens das grandes empresas separa os seus metadados – dados referentes a um conteúdo específico – a partir do conteúdo em si. Portanto, ao realizar uma busca de uma imagem, por exemplo, você primeiro acessa as informações sobre ela (dados) antes de acessar a foto. O objetivo desta técnica é reduzir o volume de conteúdo e facilitar os backups dos dados, visto que as atualizações devem ser feitas de maneira rápida e eficiente.

O sucesso e empenho para manter o bom funcionamento da rede é fruto do Google ter sido a primeira das grandes empresas a enfrentar o problema do crescimento da informação em larga escala.

Fonte

Anúncios

Grandes empresas passam a adotar sistema em nuvem

A computação em nuvem está ficando cada vez mais popular. Cerca de 81% das companhias de TI (Tecnologia da Informação) já têm ao menos um dos seus sistemas de tecnologia na “nuvem“. É o que revela uma pesquisa feita pela empresa de outsourcing Capgemini, que entrevistou 1.250 executivos “C-Level” e diretores de empresas de TI.

O surgimento de novas tecnologias como o serviço em nuvem exige maior qualidade do serviço. Segundo a pesquisa, 42% das empresas planejam aumentar seus orçamentos com a garantia de qualidade e testes de aplicativos. Dentre as companhias chinesas, 37% têm planos de migrar entre 11% e 25% de seus aplicativos para a nuvem no próximo ano, enquanto outras 40% pretendem levar de 26% a 50% para o cloud service.

Se você está antenado com as tendências das empresas e do marketing digital, chegou uma oportunidade de provar isso. A Media Factory está promovendo uma promoção sobre as últimas Startups, participe!

Fonte: Convergência Digital – UOL

Você sabe o que é serviço em “nuvem”?

Nos últimos 20 anos a internet sofreu diversas transformações. A Web passou por provedores gigantes, pesando toneladas e com pouco desempenho até a extensão da rede com o novo endereçamento IPV6, que suporta trilhões de novos dispositivos em rede.

A complexidade tecnológica é tão grande que poucos têm conhecimento sobre como funcionam as novas ferramentas. Uma delas é o serviço de “nuvem” (cloud service), maneira de hospedar sites, aplicativos, documentos e programas na web, em um espaço intangível. As três vantagens de estar na nuvem são: alta disponibilidade, agilidade e flexibilidade. Esses três itens tornam cada vez mais fácil e rápido atender uma demanda cada vez mais flutuante.

A alta disponibilidade acontece com a redundância de equipamentos e fornecedores de tráfego e um monitoramento pró-ativo realizada em tempo integral. A capacidade de expansão dos serviços online requer, além de recursos para investimentos, capacidade de contornar os longos prazos dos fornecedores de infraestrutura. A flexibilidade permite atender uma demanda passageira ou sazonal (como nos casos de promoções, ações, etc).

Algumas empresas já utilizam o serviço em nuvem, como o Google e a Amazon.com. A Apple e a Microsoft também pretendem lançar serviços flutuantes. Fica a dica para quem quer hospedar seu serviço em um lugar que dificilmente vai sobrecarregar devido ao grande número de acessos.

Fonte: http://www.dualteccloud.blog.br/2011/05/19/como-se-faz-uma-nuvem/