Novas tendências das redes sociais em 2012

Não é nenhuma novidade que as redes sociais são um fenômeno que vieram para ficar. Após um 2011 muito bem sucedido, as empresas passaram a compreender a necessidade de mídias digitais para a prospecção de clientes e, até mesmo, para a manutenção de sua imagem.

Diariamente, bilhões de pessoas utilizam as redes sociais para se comunicar e buscar seus interesses. Alguns estudos já indicam que as redes são o principal meio de compartilhamento e consumo de informação. O principal benefício para as empresas está na questão de que é possível planejar seus investimentos para este fenômeno, como relatou uma pesquisa elaborada pela Amcham.

Para 2012, as principais tendências estão relacionadas, principalmente, ao compartilhamento de conteúdos e ao uso de SEO crescendo constante e gradativamente no mercado. Outra forte tendência para o mercado é a Otimização de Mídias Sociais, já que esta é uma ferramenta de marketing relativamente simples e muito bem sucedida.

Além disso, o crescimento do mercado de dispositivos móveis também possibilitou o desenvolvimento de aplicativos direcionados aos sistemas Android, IOS, entre outros. Outra forte aposta do mercado é a publicidade social, ou seja, rede sociais envolvidas com divulgações, como é o caso do Facebook Ticker, Promoted Tweets do Twitter e anúncios do Google no Youtube.

Após o investimento milionário do Facebook na compra do Instagram, acredita-se que o compartilhamento de imagens seja outra grande aposta para o ano.

Você sabia que a Media Factory oferece um dos melhores serviços de SEO, Otimização e Indexação do mercado? Acesse o nosso site e saiba mais sobre os nossos serviços.

Fonte

Anúncios

Google Shopping chega ao Brasil

Ao procurar um produto no serviço de buscas do Google, você percebeu alguma alteração na ordem dos resultados ou nas propagandas que aparecem na página principal? Se sua resposta foi sim, você está certo. O Google Shopping, serviço de indexação de produtos, chegou ao Brasil.
Ao buscar por um produto, o usuário verá os resultados da pesquisa na própria página de busca do Google, que mostrará, ainda, as lojas mais próximas de sua localização. O Google Shopping compara preços de produtos oferecidos em sites de comércio eletrônico de todo o Brasil. O cadastro é gratuito para os varejistas.
Para o público que se identificar com o serviço do Google, o sistema permite ao usuário consultar o preço parcelado para os produtos que quer comprar. Segundo a companhia, o Google Shopping tem mais de 1 bilhão de itens na sua base e é o maior indexador de produtos no mundo.
Fonte: IDN Now!

Google+ lança página para empresas

Depois de pouco mais de três meses do lançamento do Google+, a equipe da gigante de buscas lançou, finalmente, sua página voltada para as empresas, marcas e organizações.

Diferentemente do Facebook, o Google não vai lucrar com anúncios nas Google+ Pages. Mas elas estarão integradas (e muito bem integradas) aos outros produtos do Google. A novidade será ao digitar “+” na frente do nome de uma empresa, será automaticamente direcionado para a página daquela marca no Google Plus.

Para entender melhor as características do Google+ Pages, veja o vídeo disponível no canal oficial do Google, no Youtube.

Google+: Pages:

Google+: Direct Connect:

Google e Facebook: quem ganha a guerra digital?

Não é de hoje que o mundo acompanha a guerra entre o Google e o Facebook.
A batalha por público e investimento pode ser cada vez menos intensa. Nos últimos anos, o mundo testemunhou a derrocada da Netscape perante o Internet Explorer, intermináveis batalhas entre Microsoft e Apple e a decadência absoluta de “ex” arautos da inovação, como a Palm.
Mas a guerra que acontece agora envolve possivelmente os dois maiores representantes da era da informação: Google e Facebook. Existe mesmo a possibilidade de um vencedor? Acreditamos que não.
O Google tem como arma o conteúdo. Os resultados das buscas realizadas no Google.com sofrem variações constantemente, seja com seu algoritmo, seja com os braços do Google (Google Maps, Google Earth, Google Images, etc). Na localização de informações úteis ou desejadas, o Google é imbatível. Seu modelo é bem claro: quanto “maior”a Web, mais pessoas precisarão de ferramentas para encontrar o conteúdo que procuram. Quanto mais conteúdos e ferramentas, mais tempo de navegação e mais cliques em Adwords.

Já o Facebook tem como foco os relacionamentos interpessoais. Quem navega pela sua rede está em busca de atualizações de perfis de amigos, de conexões, de imagens e de muitas, mas muitas recomendações valiosíssimas. O que muda entre os dois gigantes é a motivação para buscar, informar e consumir o conteúdo.
Até aqui já dá pra perceber que o Google e o Facebook são “duas Internets”. Para que um usuário consiga localizar, de forma efetiva, um conteúdo desejado, ele precisa de uma ferramenta que abranja toda a interntet, sem exceções. Essa é a internet do Google. Para que o usuário tenha o maior nível possível de interação e experiência em uma rede social, os membros desta rede precisam disponibilizar a maior quantidade possível de dados para ela (e para mais ninguém). Essa experiência gera um banco de dados único de perfis interpretados e expostos. Essa é a internet do Facebook.
Uma boa análise das duas corporações mostra que esse combate acontece com dois modelos totalmente diferentes. Para que o Google possa ganhar o mercado do Facebook, precisará abrir mão da privacidade de alguns dos seus outros serviços, como geolocalização e dos usuários do GMail. Para que o Facebook consiga manter-se líder no mercado de mídias sociais, é necessário o investimento maciço dos seus bilhões em pesquisa e “replicação” de modelos de conexão social entre pessoas (contrário ao Google, o Facebook entende que deve quebrar a privacidade dos seus usuários como forma de melhorar o entendimento de seus perfis e, consequentemente, os graus de recomendação e relacionamento que proporciona).
Ou seja: para que um conquiste o mercado do outro, precisariam abrir mão das suas principais fontes de investimento e retorno financeiro. O mais interessante é que, mesmo depois do início dessa guerra, Google e Facebook cresceram lado a lado, sem perda de ritmo: entre 2009 e 2010, o Google cresceu cerca de 26%, com uma receita de US$ 29 bilhões. Nos mesmos anos, o Facebook cresceu 185%, atingindo a casa de US$ 2 bilhões em receita.
Os dois gigantes atraem a atenção do mundo para si, inclusive de anunciantes e investidores. Quem ganha a guerra entre Google e Facebook? Os dois.
Fonte: IDG Now!

As 5 marcas de maior audiência nas redes sociais

O Index Social, índice que mensura a evolução de audiência e engajamento das marcas no Facebook, Twitter e Youtube no Brasil, elencou as 5 empresas com maior audiência nas redes sociais. Mas com grande audiência, grandes responsabilidades também surgem. Não basta apenas a marca ter um elevado número de seguidores – ela precisa ir além e tornar esse público engajado.
No topo desse ranking das maiores marcas com maior audiência no mês de Setembro está a Claro. Segundo o Index Social, o Brahma Futebol Rio, apesar de aparecer na sétima posição quando se fala em audiência, é o que mais engajou, nesse período, no Facebook e Twitter: teve maior quantidade de “likes”, comentários, mentions e retuítes.
Veja abaixo a lista das 5 marcas de maior audiência nas redes sociais:
1- Claro
Facebook: mais de 150 mil fãs em sua página oficial
Twitter: mais de 2,4 milhões de seguidores
Youtube: 4,5 mil inscritos
2- Guaraná Antartica
Facebook: mais de 1,7 milhões de fãs em sua página oficial
Twitter: mais de 90 mil seguidores
Youtube: 22,4 mil inscritos
3- L’Oreal Paris Brasil
Facebook: mais de 1,4 milhão fãs em sua página oficial
Twitter: mais de 19,4 mil seguidores
Youtube: 787 inscritos
4- Smirnoff Brasil
Facebook: mais de 1,2 milhão fãs em sua página oficial
Youtube: 286 inscritos
5- Peixe Urbano
Facebook: mais de 930 mil fãs em sua página oficial
Twitter: mais de 130 mil seguidores (somando os perfis no microblog)
*Dados atualizados em 7 de Novembro/2011
Fonte: Exame.com

Coca-cola fez sucesso com promoção no Instagram

As redes sociais de menor visibilidade também abrem espaço para grandes ações de marketing digital. Um grande exemplo dessa abertura é a ação que a Coca-Cola fez para engajar os participantes do Rock in Rio. A promoção aconteceu no Instagram e chamava Coca-Cola Mission.

Para participar, o usuário precisava fotografar um momento que representasse a música favorita, publicando a foto no Instagram juntamente com a hashtag #instamission35.

As cinco fotos mais legais foram premiadas com uma caixa de som Coca-Cola.

Para saber mais acesse: proxxima

Novo feeds de notificações do Facebook

O Facebook liberou a função de feeds nas páginas da rede social. Agora é possível assinar as atualizações do perfil de alguém e “seguir” a pessoa (como acontece no Twitter e no Google+, por exemplo).

Ao assinar o perfil, o usuário receberá todas as atualizações marcadas como públicas. Para que as pessoas assinem seu perfil, é necessário habilitar o recurso. Os usuários poderão seguir o perfil clicando no botão Assinar.

Uma das principais diferenças é que o usuário poderá decidir a quantidade e o tipo de informações que gostaria de receber de um músico ou político, por exemplo.

Fonte: Com informações do Estadão e Folha.com