Dados pessoais não são revelados na nova política de privacidade, diz Google

No último mês de março, foi alterada a política de privacidade do Google. Segundo o diretor de Políticas Públicas e Relações Governamentais do Google do Brasil, Marcel Leonardi, a nova medida não permite que sejam divulgados os dados pessoais de seus usuários.

Nenhuma informação pode ser compartilhada sem a devida autorização do usuário, exceto em casos de cumprimento de ordens judiciais. Ainda de acordo com Leonardi, dentro dos próprios serviços, há a ferramenta “gerenciadores de preferências”, na qual o usuário pode controlar a sua privacidade.

A nova política foi adotada para a unificação dos termos de serviço de todos os produtos do Google, como YouTube, Gmail, Blogger e Google+. A ideia é fazer a coleta de informações pessoais mais transparente, ou seja, as informações coletadas em um dos sites da empresa podem ser compartilhadas pelos demais serviços. Os contatos que o usuário tem no Gmail, por exemplo, aparecem quando ele acessa o YouTube, e vice-versa.

Fonte

Fonte da imagem

Google altera política de privacidade

O Google estreiou, na última quinta-feira (1), a nova política de privacidade de todos os seus seviços, incluindo Youtube, Gmail e Google+. A medida visa que as informações coletadas em um dos sites da empresa sejam compartilhadas nos demais serviços.

Uma pessoa que possui uma conta no Google+, por exemplo, poderá acessar seus contatos do Gmail e vice-versa.

De acordo com o Google, a medida de unificação facilitará o controle das redes e o vazamento de informações. Além disso, o novo modelo é ainda mais acessível e prático para os usuários.

Fonte

Brasil é o 3º país com mais usuários do Google+

País fica atrás apenas dos Estados Unidos e Índia. Rede social possui mais de 90 milhões de usuários.

O levantamento da Website-Monitoring mostra que o Brasil é o terceiro país que tem mais usuários no Google Plus, respondendo por 5,43% dos usuários cadastrados.

O Brasil só perde para os Estados Unidos e Índia, que representam, respectivamente, 31,49% e 13,69% dos usuários, dentro de um montante de mais de 90 milhões de perfis, de acordo com dados fornecidos pelo Google em dezembro.

“O usuário brasileiro é muito aberto a novas redes sociais. O Google+ tem ferramentas, aplicativos e recursos muito interessantes e certamente crescerá muito no país, porém, sua utilização ainda é tímida por aqui”, explica Gabriel Kenski, diretor comercial da Media Factory, agência especializada em marketing digital.

Sobre o perfil desses usuários, mais de 20% é formado por estudantes, majoritariamente do sexo masculino, com representação de 67%, e solteiros, com 42,06%.

Outros dados do Website-Monitoring apontam que Larry Page, CEO do Google e eleito recentemente executivo mais poderoso do mundo pela revista Forbes, é o terceiro perfil com mais seguidores da rede social (presente nos “círculos” de 1,457 bilhão de usuários), ficando atrás da cantora Britney Spears (1,766 bilhão de seguidores) e do rapper Snoop Dogg (1,589 bilhão de usuários).

Lançado em junho de 2011, o Google+ atingiu o número de mais de 10 milhões de usuários em menos de um mês.

Dados da empresa SiteImpulse indicam que a rede social do Google recebe 625 mil novas inscrições por dia e pode chegar a marca de 400 milhões de usuários neste ano.

Em janeiro deste ano, a comScore afirmou que o Facebook havia ultrapassado oficialmente o Orkut no Brasil, outra rede social do Google.

Fonte

Facebook e Twitter conseguem provar que suas páginas podem aparecer na busca social do Google.

Uma ferramenta chamada Focus on the User, e que funciona dentro da página do Google+, faz com que os resultados de procura do Google incluam links para o Facebook, MySpace e Twitter. A ideia do recurso nasceu a partir de uma iniciativa dos engenheiros do Facebook e do Twitter, que se uniram com a intenção de alertar o Google sobre a possibilidade de inclusão de outras redes sociais entre os resultados de buscas, já que, atualmente, apenas o Google+ é indexado pelo mecanismo do Google.

E se você quer usar este recurso, deve arrastar o link “Don’t Be Evil” para a barra de favoritos do navegador (compatível com o Chrome, Firefox e Safari), após clicar em “Try a More Relevant Google”. Depois disso, basta clicar no atalho ao realizar buscas no Google que, imediatamente, outras redes sociais devem aparecer entre os resultados.

O projeto prova que o Google poderia ajustar o algoritmo do buscador e incluir informações públicas geradas pelas redes sociais, assim como é feito com o Google+. O Google preferiu não se manifestar sobre o assunto.

Fonte

Fonte da imagem

Google+ lança página para empresas

Depois de pouco mais de três meses do lançamento do Google+, a equipe da gigante de buscas lançou, finalmente, sua página voltada para as empresas, marcas e organizações.

Diferentemente do Facebook, o Google não vai lucrar com anúncios nas Google+ Pages. Mas elas estarão integradas (e muito bem integradas) aos outros produtos do Google. A novidade será ao digitar “+” na frente do nome de uma empresa, será automaticamente direcionado para a página daquela marca no Google Plus.

Para entender melhor as características do Google+ Pages, veja o vídeo disponível no canal oficial do Google, no Youtube.

Google+: Pages:

Google+: Direct Connect:

Google+ atinge 10 milhões de usuários

Enquanto o Facebook e o Twitter demoraram anos para chegar aos 10 milhões de usuário, o Google+ cresceu de uma forma surpreendente. Em apenas 16 dias a rede social do Google atingiu essa marca de usuários.

Vale lembrar que o Facebook e o Twitter começaram do zero, enquanto o Google já é uma gigante mundial.

O gráfico abaixo compara o crescimento das três redes sociais.

Você acha que o Google+ consegue concorrer com o Facebook e o Twitter?

 

Fonte: The Next Web

Google registra lucro de US$2,5 bi no segundo trimestre

Mais de 2,5 bilhões de dólares no segundo trimestre de 2011. Esse foi o lucro anunciado pelo Google na última sexta feira, 15. O valor é 36,1% superior ao registrado no mesmo período de 2010.

O cofundador e presidente da empresa, Larry Page, considera o valor do faturamento entre Abril e Junho (mais de US$9 bilhões) “recorde” para o período. Os custos por clique subiram 12% em relação ao mesmo trimestre de 2010, e 6% em relação ao primeiro trimestre deste ano. Os valores provocaram alta de 12,3% nas ações da empresa na Bolsa de Valores.

Segundo Page, o crescimento também está entre os mais de 135 milhões de smartphones e tablets com sistema Android ativados (como Motorola e Samsung), além dos 160 milhões de downloads do navegador da Google, o Chrome.

O Google tem mais de 28 mil funcionários espalhados pelos quatro continentes.

 

Fonte: Meio&Mensagem