Dados pessoais não são revelados na nova política de privacidade, diz Google

No último mês de março, foi alterada a política de privacidade do Google. Segundo o diretor de Políticas Públicas e Relações Governamentais do Google do Brasil, Marcel Leonardi, a nova medida não permite que sejam divulgados os dados pessoais de seus usuários.

Nenhuma informação pode ser compartilhada sem a devida autorização do usuário, exceto em casos de cumprimento de ordens judiciais. Ainda de acordo com Leonardi, dentro dos próprios serviços, há a ferramenta “gerenciadores de preferências”, na qual o usuário pode controlar a sua privacidade.

A nova política foi adotada para a unificação dos termos de serviço de todos os produtos do Google, como YouTube, Gmail, Blogger e Google+. A ideia é fazer a coleta de informações pessoais mais transparente, ou seja, as informações coletadas em um dos sites da empresa podem ser compartilhadas pelos demais serviços. Os contatos que o usuário tem no Gmail, por exemplo, aparecem quando ele acessa o YouTube, e vice-versa.

Fonte

Fonte da imagem

Anúncios

Aprenda, passo a passo, como monitorar as redes pelo Google Analytics

Muito mais importante do que fazer parte de uma rede social é saber monitorá-la. Fazer a análise de tráfego do Facebook, Twitter e Google+ pode ser muito simples, por meio da ferramenta Google Analytics.

A primeira etapa é se cadastrar no Google Analytics, isso pode ser feito da sua própria conta do Gmail (basta acessá-la e depois clicar na ferramenta). O próximo passo é saber calcular quantas visitas se recebeu. Para isso, vá até a sessão “Fontes de Tráfego”, selecione “Fontes” e depois “Todo o Tráfego”. A partir deste recurso, você poderá contabilizar a lista de todos os sites que redirecionaram internautas para a sua página.

O passo seguinte é identificar as redes sociais presentes na lista. Os termos “twitter.com”, “t.co”, “hootsuite”, “tweetdeck” e “bit.ly”, por exemplo, se referem ao Twitter. Após isso, crie um “grupo de tráfego”. (Clique nas opções avançadas do Google Analytics e em “Novo Segmento Personalizado”).

Você pode fazer quantas listas quiser, de acordo com os seus visitantes e com as redes sociais com as quais sua empresa trabalha (Google+, LinkeIn, Delicious, Youtube, Flickr, MySpace, Tumblr e outros).

Lembrando que o serviço é disponibilizado gratuitamente para os usuários, no entanto, com uma equipe especializada, que cria relatórios e possui maior experiência com a ferramenta, é possível aproveitá-la muito mais e otimizar as campanhas.
A Media Factory possui vasta experiência com o Google Analytics. Para maiores informações, acesse: http://www.mediafactory.com.br/2010/?p=185

Fonte

Google explica problema com spams em e-mails

O principal problema que um usuário de e-mail enfrenta é em relação aos spams que recebe em sua caixa de entrada. Pensando nisso, o Google anunciou, nesta semana, um novo filtro de spam para o Gmail.

A nova ferramenta terá a função de informar o usuário sobre os motivos que levaram uma mensagem a ser redirecionada para a pasta de spam.

Os usuários do Gmail podem identificar as mensagens marcadas como spam por meio do aviso em vermelho embaixo do remetente. As mensagens permanecem nessa pasta para que se tenha certeza de que se trata realmente de um spam e para que o usuário possa tomar suas providências.

Fonte do texto e imagem

Você sabe como o Google armazena conteúdo?

Quando é preciso encontrar algum conteúdo na internet, é comum abrirmos a página do Google para realizar uma busca. O site de buscas mais requisitado e renomado do mundo funciona por meio de um sistema de armazenamento de backups de motor, que é capaz de atender milhões de pesquisas feitas simultaneamente. É por isso que o espaço para acomodar novas páginas que surgem na internet deve crescer constantemente. Para se ter ideia, no total, esses processos consomem mais de 20 petabytes por dia.

Para o bom funcionamento da rede e a sua prospecção, a arquitetura de nuvens das grandes empresas separa os seus metadados – dados referentes a um conteúdo específico – a partir do conteúdo em si. Portanto, ao realizar uma busca de uma imagem, por exemplo, você primeiro acessa as informações sobre ela (dados) antes de acessar a foto. O objetivo desta técnica é reduzir o volume de conteúdo e facilitar os backups dos dados, visto que as atualizações devem ser feitas de maneira rápida e eficiente.

O sucesso e empenho para manter o bom funcionamento da rede é fruto do Google ter sido a primeira das grandes empresas a enfrentar o problema do crescimento da informação em larga escala.

Fonte

Google repudia medidas regulamentadas do ECAD para uso de vídeos

O Google fez um pronunciamento oficial em seu blog, na última semana, no qual se mostrou claramente contrário à decisão do ECAD sobre a maneira de divulgação de vídeos musicais do Youtube.

Segundo a nota, o acordo assinado pela empresa e a entidade brasileira “não permite e nem endossa o ECAD a cobrar de terceiros por vídeos inseridos no YouTube”, uma vez que, os blogs não hospedam, nem transmitem qualquer tipo de conteúdo quando embedam/sobem um vídeo do YouTube em seu site.

Vale a pena ressaltar também que a decisão é do visitante do site para iniciar uma reprodução do vídeo, que, por origem, está armazenado no YouTube, e não propriamente do blog que o usuário está navegando.

Com a regulamentação, o ECAD pode inibir os usuários das redes na criação de novos conteúdos, o que até fere o princípio da liberdade de expressão existente na internet.

O Google encerra o comunicado oficial solicitando que a entidade brasileira retire as cobranças dos blogs.

Fonte do texto e imagem

Google altera política de privacidade

O Google estreiou, na última quinta-feira (1), a nova política de privacidade de todos os seus seviços, incluindo Youtube, Gmail e Google+. A medida visa que as informações coletadas em um dos sites da empresa sejam compartilhadas nos demais serviços.

Uma pessoa que possui uma conta no Google+, por exemplo, poderá acessar seus contatos do Gmail e vice-versa.

De acordo com o Google, a medida de unificação facilitará o controle das redes e o vazamento de informações. Além disso, o novo modelo é ainda mais acessível e prático para os usuários.

Fonte